Terça-feira, 4 de Dezembro de 2012

Higiene n'os media

Por uma questão de higiene informativa, de redução de custos e/ou contenção de despesa, estava aqui a pensar se não seria mais vantajoso divulgar apenas a errata ou o resumo corrigido, em vez de transmitir a totalidade das entrevistas ou discursos do PM. E por falar nisso: alguém sabe dizer se o inquilino de Belém ainda respira ou se se confirma que está vegetal?

 

P.S.: Que não restem dúvidas, estava a referir-me tão só ao eventual estado vital e não estava aqui a referir-me a nenhum tubérculo, até porque não me parece nada bem ofender os nabos e as nabiças que até não têm culpa nenhuma.

cogitado por vics às 01:51
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Outubro de 2012

Tobin 40 anos depois

O fumo branco da reunião de hoje do Ecofin trouxe-nos a novidade de que «A Comissão Europeia avança com o projecto de "cooperação reforçada" para a instauração de uma taxa sobre as transacções financeiras.»

 

A vulgarmente conhecida por 'Taxa Tobin' (em "homenagem" ao seu proponente, o nobel da economia de 1981, James Tobin), preconiza um tributo sobre as movimentações financeiras internacionais de carácter especulativo, que em 1971 sugerira, na sequência do fim da conversabilidade do Dólar em ouro proferido pelo presidente Richard Nixon, um novo sistema para a estabilidade monetária internacional em que incluia taxar aquelas transacções financeiras.

 

 

Muitos anos mais tarde, em 1997, o director do jornal Le Monde, Ignacio Ramonet, ressuscitou o debate sobre a Taxa Tobin, num editorial subordinado ao tema Désarmer les marchés. Por esta altura e na defesa da ideia de combater a Globalização e a força dos Mercados, propôs a criação de uma associação que preconizava a introdução daquele tributo: a ATTAC (Action pour une taxe Tobin d’aide aux citoyens).

 

Ramonet, também promotor do Fórum Social Mundial (movimento antiglobalização) de Porto Alegre, sugeriu ali a adopção do slogan «Um outro mundo é possível», ele que defendeu a inclusão da sociedade civil nos processos de construção de um outro mundo.

 

Hoje, ao vir a público esta informação pouco nos apraz dizer sobre a bondade do sonho europeu e da maldade da sua concretização, sobre o futuro que todos os dias se constrói e sobre os alertas que ao longo dos tempos foram sendo feitos por uma Esquerda apreensiva a uma Direita surda e mouca, dos estados-membros e da própria união. Será preciso todos estarem na lama para se imprimir a solidariedade dos pares, sobretudo daqueles que (in)voluntariamente arrastaram os mais vulneráveis para o referido lodo.

 

A questão económica da Europa não se esgota na Taxa Tobin, sem prejuízo de ser um princípio para um combate aos Mercados e às figuras sinistras e anónimas que os controlam. Pode ser um princípio para se falar de agências financeiras da própria UE e também das tão reclamadas Eurobonds.

 

Sem isso, então temos apenas mais uma operação de charme e basta-nos concluir, como diz o povo (porque esse é o sujeito e o objecto de toda a acção económica, porque a ciência não se esgota aos Mercados e à macroeconomia): "Depois de burro morto, cevada ao cu!"

 

 

cogitado por vics às 15:54
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 24 de Abril de 2012

Ricardo Costa, o cromo do dia

Numa coisa PPC tem razão, há quem procure protagonismo a todo o momento.

 

 

Lamentavelmente e em prejuízo do bom desempenho de cada um, reiteradamente lá vão alguns "elementos" esquecendo qual a sua função e as tarefas que lhe estão atribuidas e de que estão incumbidos.

Naturalmente, quando não está claramente escrito o descritivo de cada função, então o enquadramento e as tarefas são as que todos outros esperam de si. A isso chama-se papel social, sendo que cada indivíduo é um actor social. Mal vai a "coisa" quando isso não é percebido!

A os media é esperado que informem e não que opinem, que procurem desconstruir a notícia e desviar atenções.

A este "menino" espera-se que informe e ninguém lhe reconhece o estatuto para passar sermões ou avaliar a atitude de um dos construtores de Abril.

Esperava-se deste director de jornal que colocasse na 1.ª página a atitude de um construtor de Abril, antigo líder da oposição, primeiro-ministro e presidente da república. Esperava-se que o fizesse sem qualquer adjectivação e sem prestar vassalagem ao senhor Balsemão, ainda que lhe pague o salário. Todavia, lá foi, mais uma vez, adjectivar a reacção em vez de explorar a essência do facto que é notícia  

 

Abaixo os lápis azuis! Porra!!!

 

25 de Abril sempre!!!

 

cogitado por vics às 12:01
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Abril de 2012

Tudo tem razão de ser

O ataque feroz do Grão Mestre dos Tudólogos ao líder da oposição tinha que ter algum fundamento. Com efeito, enquanto os media se entregariam a acompanhar o lançar de foguetes até ao apanhar das canas, lá iriam à socapa os senhores Sinistro das Finanças, Falsos Coelho e Paulo Tretas, cortando, tirando e massacrando o Zé. Nem sei como, lá veio a público uma nesga dessas diligências sacanas.

O curioso é que, ao que parece o garante da coisa que se festejava no 5 de Outubro não sabia de nada, não tem opinião formulada, nem comenta. Ok!

 

 

Ou os intérpretes perderam o guião, ou isto ainda é pior que uma tragédia grega ou algo apodreceu no reino da dita velhaca.

E levam nisto...

 

Razão teria António Aleixo: "Há tantos burros mandando em homens de inteligência, que às vezes fico pensando que a burrice é uma Ciência."

 

 

cogitado por vics às 01:58
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 3 de Novembro de 2010

A moralidade e a falta dela

Reiteradamente encontro-me nesta encruzilhada.

Com efeito, este é um ponto já costumeiro é o que mais se parece com a confluência de várias ruas e caminhos cruzados.

De cada um dos troço um caminhante e uma má nova. E nós aqui. Assistindo, num estado incredulamente impotente e passivo.

Volo a repisar no mesmíssimo assuntode sempre - as agendas de maus interesses. Sim. Essas e não outras. Essas que nos envergonham a inteligência que ousamos camuflar ou silenciar. 

Quais são as motivações, os interesses e os donos das agências financeiras, de os media, dos fazedores de opinião? São questões imperativas e parece que ninguém parece ter coragem de as colocar.

Poderá esperar-se boas notas à nossa economia quando são emitidas por agências de rating norte-americanas em que naturalmente o interesse maior é impedir que o EURO bata o DOLAR?

Poderá esperar-se que jornais detidos por empresas de propriedade de barões do PSD falem bem de um Governo PS?

Poderá esperar-se que comentadores ou fazedores de opinião - como é o caso de Marcelo Rebelo de Sousa, que transpira por todos os poros o seu partido, do qual aliás foi presidente - facciosos emitam opinião isenta, correcta e profícua?

Claro que não! Lamentavelmente.

E é claro que não parece haver coragem para colocar estas questões e para tomar as diligências que as sinceras respostas, caso fossem proferidas, mereceriam. 

 

cogitado por vics às 20:21
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Abril de 2010

Tudo se compra... até mentiras por verdades

Por diversas vezes tenho cogitado sobre os media, a sua acção e a sua demanda. Todas essas análises me levam ao mesmo lugar e epílogo epicêntrico de dúvidas e revoltas: quem manda em os media?; quais os interesses que estão por detrás de si?; quem define a sua agenda reiteradamente marcada pelo ‘mono-tema’?; que força têm e até onde vai?; que Sociedade, Liberdade e Estado de Direito são os nossos com os media que temos?; etc. etc.

As declarações o Dr. Emídio Rangel aos senhores Deputados, assim como os comentários que se lhe seguiram como o do Dr. Carlos Magno ontem à noite na rádio ou o de hoje proferido pelo Dr. Paes do Amaral, trazem-me alguma satisfação pela solidariedade de pensamento.

Há muito que tenho procurado lembrar o que ocorrera aquando da última legislatura do Professor Cavaco Silva, em 1994 desferida por O Independente, assim como o modus operandi jocoso, irónico, infame e dispensável com que algumas redacções abordam e deturpam temas e personalidades nas pseudo-notícias que produzem.

Comprei e li o livro do Professor Manuel Maria Carrilho «Sob o Signo da Verdade», da Publicações Dom Quixote, editado em Lisboa no ano de 2006.

 

 

Confesso que não nutro de muita simpatia pelo autor, talvez pelo seu registo do género Mourinho, porém atribuo-lhe o respeito que todos merecemos e sublinho-o pelo conhecimento, pelo percurso, e, também, pela atitude arrojada com que escreveu aquele livro e relatou o episódio, que me abstenho de adjectivar, em que fora protagonista a pedido de outro senhor – A. Cunha Vaz – que muito nos ajuda a perceber como funciona alguma imprensa. Sugiro a leitura do livro ou, caso o tempo seja pouco, pelo menos das páginas 37 e 38.

Talvez um dia possamos imprimir em os media uma Lei de Gresham, no intuito de se voltar a produzir notícias de verdade e a verdade dos factos.

cogitado por vics às 08:36
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 14 de Março de 2010

Faz o que eu digo, não faças o que eu faço...

Às vezes sinto a necessidade de reler uma manchete, uma notícia, um parágrafo na estrita motivação de confirmar o conteúdo, a idéia, a mensagem ali contidos. Deparo-me quase sempre com a mesmíssima conclusão: insólito. 

Hoje, fi-lo novamente e fiquei incrédulo com o que li e com o que aquela combinação de palavras transmite.

Abstraído de adjectivar as motivações, os objectivos e as decisões tomadas, permito-me lamentar apenas que do partido político português que tanto tem falado de asfixia democrática e do ataque à liberdade de expressão tenha saído uma deliberação que, em pleno século XXI e num país ocidental, europeu e democrático, preconize calar vozes discordantes  e construir blindagem a líder imposto.

Com isto, pergunto-me para onde vamos ou se há quem invoque Abril não para viver o dia 25 e o que ele trouxe, mas para pôr o relógio a andar para trás.

Vindo de onde vem, não era a primeira vez que tal acontecia. Infelizmente, sei bem aquilo a que ora me refiro.

cogitado por vics às 20:18
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

A plenitude do todo

Ontem postei um pensamento digno de um registo num diário, tendo em conta a intimidade e a introspecção nele desenhada. Tal, mereceu o contacto de alguns amigos muito próximos manifestando preocupação e questionando-me o que escondia eu nas entrelinhas. Por isso, aqui estou para não só sublinhar o que ontem postei, como também para registar um apontamento como se de um sufixo se tratasse porquanto entre as linhas, as palavras e as letras não procurei enfiar, dissimular ou até ludibriar uma qualquer outra cogitação.

Em conclusão e explicação, saliento que ao postar um pensamento autocrítico sobre o que falo e o que penso, estaria, naturalmente, a manifestar incompreensão para com todos aqueles que ousam proferir palavras que não conhecem a significância e ofender-se a si e à inteligência dos outros sempre que falam tudo sobre tudo, autênticos monopolizadores o conhecimento. 

Falo claramente dos TUDÓLOGOS, aqueles que às vezes fazem ensaios sobre o deserto como se de um pântano se tratasse.

cogitado por vics às 20:58
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

Formar para a vida

A vida é uma sala de aulas onde todos os dias se aborda uma nova lição, se aprendem novos conceitos e se adquirem novas competências. A formação e o desenvolvimento são contínuos, mesmo quando nos demitimos de explorar conteúdos e contextos e nos cingimos apenas à costumeira rotina empírica, onde, neste caso, indirecta e involuntariamente são apreendidos procedimentos e comportamentos.

Porém, a participação em acções de formação é determinante para a sobrevivência e para a percepção e acompanhamento dos tempos.

Ao longo da minha vida tenho dedicado particular atenção para esta matéria, tendo adquirido formação em várias e distintas áreas que sempre têm merecido o meu interesse e que muito me têm preparado para a abordagem e tratamento de vários assuntos essencialmente no domínio do secretariado, da comunicação, da gestão de recursos humanos, da formação de formadores e das autarquias locais.
São as competências adquiridas e desenvolvidas que me permitem perceber e ter opinião crítica sobre alguns assuntos, sempre com a segurança de falar somente daquilo que sei e saber daquilo que falo.
cogitado por vics às 13:22
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010

Polvo ao SOL

Um semanário português promove a gastronomia tradicional algarvia, sendo que hoje foi servido “Polvo ao SOL” logo pela manhã e lá para a tarde temos mais para quem não ficou saciado ou ainda não provou esse acepipe de Lagos (Algarve), o vulgo polvo seco assado no forno.

Nos dias que correm e que tanto se fala de conceitos também consagrados como garantias constitucionais do Regime, haja alguém que dê alimento ao acordar e ao pôr-do-SOL. Todavia, em tempos de crise e sem saber quem está por detrás do SOL-posto, lá diz o ditado que «quando a esmola é muita até o pobre desconfia».
cogitado por vics às 13:05
link do post | comentar | favorito
|

O stress do SOL

A personificação do clima, quais clones, andróides ou robôs, tem colocado a Chuva, o Sol, o Frio e o Vento numa persistente luta por melhores condições laborais que nenhum sindicato conseguiria tão facilmente.

À margem da lei criaram um sistema de turnos para o presente Inverno, com rotação contínua de um dia de trabalho e a subsequente folga no dia seguinte. E então, tem sido assim: num dia estão ao serviço a Chuva e o Vento e noutro o Sol e o Frio. Ora, foi logo hoje, sexta-feira, em que estavam de turno a Chuva e o Vento, que o Sol movido por forças ainda não conhecidas insistiu trabalhar e cedo teve um esgotamento.
cogitado por vics às 11:34
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2010

O Anticiclone... da Madeira

Ao longo de todos estes anos – apesar de estar bem consciente da necessidade da chuva – sempre fui preferindo as já desaparecidas ou atenuadas duas estações em que predominava o SOL.

Desde muito miúdo só não desejava mais dias de Primavera ou Verão, fosse qual fosse o mês do ano, pelo facto de ter familiares em Ginetes (Ponta Delgada) e de me terem dito que nos Açores tinham uma figura tipo monstro dos mares que castigava com mau tempo aquelas gentes para que as do continente tivessem SOL.

Actualmente, os tempos são outros e o SOL tem outro brilho e vem proporcionando outros dias e outros climas no continente e que sugere, pelos contornos, raios e intensidade que afinal é na Madeira que não haverá SOL.
 
Apontamento:
Os  Açores têm  um clima temperado marítimo. A latitude, a insularidade, o relevo e a corrente quente do golfo do México  são factores cuja acção conjugada determina as características  climáticas do arquipélago, em particular o seu regime termo-pluviométrico.  A variabilidade dos estados do tempo está também associada às oscilações em latitude do Anticiclone dos Açores  e das perturbações da frente polar .
 
Aproveito o ensejo para mandar um abraço amigo ao primo Manuel, esposa Maria e filhos Brigida, Sancho e Irina. 
 
cogitado por vics às 08:59
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Setembro de 2009

Boas notícias

Finalmente uma boa notícia vinda da TVI. Demitiu-se em bloco a Direcção de Informação daquele canal televisivo. Estupendo!

De facto só restariam duas escassas hipoteses:

a) Primeira, ou mudavam o nome ao órgão ou grupo de indivíduos que teimavam em fazer de um programa de informação um espaço onde não havia notícias, mas sim e só fazedores de opinião do bota-abaixo, do contra, da indecente e má figura e construtores de notícias baseadas no diz-que-disse e na cosquice, para fazer correr tinta e confusão e ganhar não se sabe quanto ou o quê;

ou

b) segunda, demitiam-se em bloco.

Foi muito boa a opção.

 

Com efeito, apesar da notícia de hoje ser boa, uma coisa é verdade: tudo está mal quando a notícia deixou de ser construída com a matéria comum entre pelo menos três fontes consultadas ou ouvidas, e, sobretudo, quando quem manda em 'os media' são agências de - perdoem a blasfémia - notícias, que ninguém sabe a quem pertencem e quais os seus objectivos. Essa é que é essa!

 

 

cogitado por vics às 13:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.cogitos recentes

. Higiene n'os media

. Tobin 40 anos depois

. Ricardo Costa, o cromo do...

. Tudo tem razão de ser

. A moralidade e a falta de...

. Tudo se compra... até men...

. Faz o que eu digo, não fa...

. A plenitude do todo

. Formar para a vida

. Polvo ao SOL

. O stress do SOL

. O Anticiclone... da Madei...

. Boas notícias

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Dezembro 2008

. Dezembro 2007

. Abril 2007

. Julho 2006

. Março 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Fevereiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

.tags

. todas as tags

.links

.Cogitantes até agora

Counter
Free Counter

.Cogitando

online
blogs SAPO

.subscrever feeds