Terça-feira, 7 de Agosto de 2012

Perpetuar Manuel do Nascimento

Chega-me a notícia de que Manuel do Nascimento Correia, ilustre escritor monchiquense já desaparecido, neorealista, cujo centenário do seu nascimento se festeja este ano, ficará perpetuado enquanto patrono da Escola EB 2,3 de Monchique, deixando assim a espécie de clandestinidade em que vinha resistindo, ou não fosse a Freguesia de Monchique ter reeditado um livro há uns anos atrás (tal como agora  se prepara para reedidar outra obra) e colocado uma placa na casa onde o autor residiu.

 

 

Pena é que outra placa - a de um topónimo de uma rua da Vila, aprovado pela Assembleia Municipal há vários anos - nunca tenha sido colocada; menos mal, pois o autor é merecedor de outra placa e num arruamento de maior importância.

 

Depois de muitas diligências, também de há vários anos, por parte de Graça Batalim, José Rosa Sampaio, Ana Paula Almeida e do próprio filho e restante família do escritor - que tive o grato prazer de ir ouvindo e acompanhando - parece que agora se está mais perto de Manuel do Nascimento ganhar a notoriedade cimeira que merece.

 

Oxalá, a este propósito não se esqueçam também outros escritores e outros homens e mulheres cuja sua passagem, mais longa ou mais curta, enriqueceu a nossa cultura, escreveu a nossa história e elevou a nossa identidade.

cogitado por vics às 08:04
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 29 de Janeiro de 2012

Monchique relembra Manuel do Nascimento

A Freguesia de Monchique recorda, enfatisa e homenageia Manuel do Nascimento.

Depois de no passado recente ter promovido a reedição de um livro do autor monchiquense (O Último Espectáculo) e de ter colocado uma lápide identificativa da casa onde nasceu e viveu, este ano a mesma autarquia (Freguesia de Monchique) assinala o centenário do nascimento de Manuel do Nascimento Correia.

 

Outdoor de divulgação da iniciativa, junto ao edifício-sede do promotor (Freguesia de Monchique)

 

O autor nasceu nesta freguesia e concelho no dia 27-Dez-1912 e faleceu no ano de 1966.

 

Nota biográfica:

«Nasceu Manuel do Nascimento em Monchique no ano de 1912. Estudou numa escola técnica. Concluído o curso foi trabalhar para uma mina tendo começado então, por um choque entre a realidade e aquilo que pretendia que ela fosse, a moldar-se a sua personalidade. O contacto com a vida e os problemas dos mineiros fá-lo viver em luta permanente consigo próprio, acordando no futuro escritor um anseio de justiça, que a época perturbada da juventude tinha ignorado. Abandona a mina, por se encontrar doente e vai convalescer para a terra natal onde começa a ensaiar os primeiros passos de escritor. Escreve Mineiros e publica seguidamente Eu Queria Viver, o romance de uma rapariga a que a tuberculose dá uma nova consciência e aguça o espírito. Em O Aço Mudou de Têmpera, crónica romanceada da vida de uma aldeia da Beira durante o período da guerra, Manuel do Nascimento volta a ocupar-se da mina, desta vez descrevendo a pesquisa intensiva de minérios, enquadrada num drama profundamente humano que apresenta o mais amplo sentido de observação. Agonia e O Último Espectáculo são obras que, se mais méritos não tivessem, apresentam uma clarificação de forma notável. HISTÓRIAS DE MINEIROS põe mais uma vez em evidência as suas qualidades de escritor integrado na corrente do neo-realismo. Aflorando novamente o drama da mina, as angústias e as alegrias dos homens que nela trabalham, HISTÓRIAS DE MINEIROS é um livro pungente, verdadeiro e comunicativo, que confere a Manuel do Nascimento um lugar destacado na moderna literatura portuguesa.»

(Transcrição da contracapa de HISTÓRIAS DE MINEIROS, livro de contos de Manuel do Nascimento, Editora Arcádia, Lisboa, 1960)

 

 

Links úteis:

www.jf-monchique.pt

www.manueldonascimento.net

http://joserosasampaio.com.sapo.pt

 

 

 

 

tags:
cogitado por vics às 15:03
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010

Escrever a história e reconhecer o papel dos protagonistas

 

No futebol, como na vida, há jornadas muito difíceis de superar.
É da coesão do grupo, do empenho e da determinação de cada um e do seu contributo para a equipa que se consegue a força imprescindível para ganhar. Em meu nome e em nome da Direcção a que me orgulho de presidir, agradeço a todos, e a cada um, dos jogadores do JDM, pelas suas dedicação, motivação e compreensão, sem as quais não teríamos alcançado os êxitos que imprimimos na história recente do Juventude Desportiva Monchiquense, a colectividade desportiva mais antiga do concelho e que hoje assegura um indesmentível e notável serviço público, materializado no complemento à formação cívica, na formação desportiva nas modalidades de futebol e futsal, no complemento à oferta desportiva de Monchique e na ocupação salutar dos tempos livres de quase centena e meia de crianças, adolescentes, jovens e homens que integram as nossas equipas, desde pré-escolas a veteranos.
É materialmente insignificante mas muito sincera e fraterna a retribuição manifestada no reconhecimento e agradecimento públicos e na declaração também pública de que (eu e toda a actual Direcção do JDM) temos o maior orgulho em todos e cada um dos jogadores JDM e estaremos sempre ao seu lado a prestar-lhes o merecido e caloroso apoio.
Um dia dar-nos-ão razão! Indubitavelmente, o rumo certo é o que vimos trilhando.
Bem hajam e a continuação de bons êxitos.
cogitado por vics às 04:30
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2010

Mais Monchiquense

Em Agosto de 2008 aceitei o desafio de amigos meus e do JDM. Liderei um grupo de sócios defendendo um novo rumo para a colectividade mais antiga do concelho, no intuito de integrar mais crianças, adolescentes, jovens e homens monchiquenses; aumentar a oferta desportiva e a dinâmica associativa; reposicionar o clube na sociedade sem descurar a sua localização sujeita às problemáticas da periferia e da interioridade.

Liderámos o projecto “MAIS JDM (mais juventude, mais desporto, mais monchiquense)”.
Dezassete meses depois, podemos concluir que as coisas estão diferentes, mas essa análise ficará para quem está do lado de fora e mais atento e isento para a avaliação.
Não obstante as inúmeras dificuldades, assim como a falta de apoios imprescindíveis à subsistência e sobrevivência, é motivo de grande orgulho para os dirigentes – e objecto de reconhecimento público –, o empenho e a determinação de cada um que hoje veste a camisola do JDM e o que faz quando a tem vestida e está ao serviço deste clube.
Força Monchiquense!

 

cogitado por vics às 15:36
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 1 de Setembro de 2009

O Compromisso

Entendo que a nossa verdadeira importância decorre daquilo que os outros vêem, sentem, pensam, de nós. Por isso mesmo não me parece sensata a auto-análise não solicitada, e doentiamente reiterada, quando valorativa daquilo que achamos que somos e que achamos que tão bem fizemos. Aliás, a figura do "auto-elogio" é das coisas que considero mais insensatas, insolentes e manifestamente comprovativas de que os outros não atribuem importância suficiente para enfatizar ou valorizar as hipotéticas qualidades ou bons feitos dos que sofregamente 'atracam naquele porto'. Talvez por isso não aprecie muito autobiografias, em especial onde perdomina a adjectivação desenfreada.

 

Todavia, às vezes é preciso parar, reflectir e concluir sobre os nossos actos, sobre nós. Creio que aí, e se a conclusão for boa e se não 'embandeirarmos em arco', então não parecerá mal a ninguém se esboçarmos um sorriso e nos orgulharmos do passo dado.

Hoje, assim me sinto, contente pelo compromisso que assumi há um ano, dedicando o meu conhecimento, o meu pouco tempo e a minha determinação para ajudar o clube da terra a superar um momento e um contexto de notável dificuldade. E tenho muito orgulho de todos aqueles que se associaram a essa vontade, do trabalho dedicado que têm tido e dos resultados que vão aparecendo. E tenho também bastante orgulho dos jovens - objecto da nossa acção - que literalmente "vestem a camisola" e fazem acontecer o Monchiquense.

Assumi aquele desafio sob a missão «MAIS JDM: mais Juventude, mais Desporto, mais Monchiquense». E hoje? Hoje, voltaria a fazê-lo! Claro!

 

cogitado por vics às 04:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Agosto de 2009

Odelouca pronta para encher

O PM, Eng.º José Sócrates, presidiu hoje à sessão solene de fecho da comporta da Barragem de Odelouca. Trata-se apenas de um acto muito simples que qualquer colaborador em obra ou uma criança poderia fazer, porém o simbolismo intrínseco ao fecho da comporta da barragem que se assume como o ponto focal do sistema global de abastecimento de água ao Barlavento Algarvio exige a presença de membro do Governo da República, e, em especial do Eng.º José Sócrates.

Naturalmente, tinha que ser o Eng.º José Sócrates a presidir àquele acto, pois não foi a primeira vez que se cruzou ou mexeu com a Barragem de Odelouca. Recuando no tempo, permito-me lembrar que a obra foi foi adjudicada pela primeira vez em 1999, durante o primeiro Governo do Eng.º António Guterres, em que o actual PM foi Secretário de Estado Adjunto do Ministro do Ambiente e, depois, Ministro Adjunto do Primeiro Ministro.
Recorde-se que a construção da barragem foi suspensa em 2003 quando a Comissão Europeia cortou o co-financiamento comunitário na sequência de uma queixa da Liga para a Protecção da Natureza, em que os ambientalistas portugueses alegavam que a obra destruiria habitats importantes e violava directivas comunitárias, considerando-a como "um enorme erro ambiental e orçamental". Neste período o Governo da República Portuguesa era suportado pela coligação PPD/PSD–CDS-PP e tinha como PM o Dr. José Barroso, actual Presidente da Comissão Europeia.
Só mais tarde, em finais de 2006, já sob a governação do actual PM Eng.º Sócrates foi desbloqueada o processo em Bruxelas, tendo o Governo português se comprometido a tomar diversas medidas para reduzir o impacto ambiental da construção e garantir que a água da barragem seria utilizada apenas para o consumo humano e não industrial. Saliente-se que o Governo já tinha decidido em 2005 (também com o Eng.º Sócrates) continuar a obra de construção da barragem, mesmo sem ter assegurado o desbloqueamento das verbas de Bruxelas, o que aconteceu apenas em Abril de 2006.
Portanto, o acto que hoje teve lugar só podia ter sido efectuado por José Sócrates. O seu nome ficará associado à solução e não ao problema de Odelouca. E esta barragem que se assume como a obra principal do Sistema Primário (captação e transporte de água) do Sistema Global de Abastecimento de Água ao Barlavento Algarvio, integrado pelos concelhos da parte ocidental de Loulé, Albufeira, Lagoa, Silves, Portimão, Lagos, Vila do Bispo, Aljezur e Monchique (estes dois últimos abastecidos por um sistema autónomo), é, indubitavelmente, uma obra com a marca “PS” (Partido Socialista).
 
Dados Técnicos da Barragem de Odelouca:
- Coroamento: (106,00)
- Altura máxima: 76 m
- Desenvolvimento do coroamento: 415 m
- Largura do coroamento: 11 m
- Barragem - Terras: Cerca de 2.282.000 m3
- Descarregador de Cheias - Escavação: 286.200 m3
- Descarregador de Cheias - Betão: cerca de 32.000 m3
tags:
cogitado por vics às 15:43
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.cogitos recentes

. Perpetuar Manuel do Nasci...

. Monchique relembra Manuel...

. Escrever a história e rec...

. Mais Monchiquense

. O Compromisso

. Odelouca pronta para ench...

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Dezembro 2008

. Dezembro 2007

. Abril 2007

. Julho 2006

. Março 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Fevereiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

.tags

. todas as tags

.links

.Cogitantes até agora

Counter
Free Counter

.Cogitando

online
blogs SAPO

.subscrever feeds