Quinta-feira, 7 de Junho de 2012

O erro Crato

Crato entendeu desvalorizar a disciplina de "Educação física e desporto" retirando-lhe carga horária e atafulhando-a no saco das "expressões e tecnologias" onde já cabe tudo o que não é teórico, como é o caso de TIC, Educação Visual e oferta escola. Enfim...  

 

 

O grande problema está na fome doentia de cada novo ministro mexer naquilo que existe só para mudar. Mal vão as "pastas" quando os seus titulares introduzem mudanças sem ter feito um diagnóstico plausível, uma caracterização da situação existente e um estudo das eventuais alterações a introduzir, caso se mostrassem necessárias, incluindo os efeitos das mesmas.

Aquilo que está em cima da mesa é simplesmente um retrocesso brutal e nojento, pois mais do que mexer numa profissão interfere com toda a gente. Vejamos: a sensibilização desde cedo para o exercício físico, a prática desportiva associada à população activa como elemento importante para eliminar o stress e promover a saúde e o envelhecimento activo são conceitos que vão desaparecer, lamentavelmente.

Mais do que uma disciplina, estamos perante uma questão sociocultural, porquanto preconiza o desinvestimento em estilos de vida saudáveis.

Estamos perante um erro crasso.

Se era isso que queria, Crato vai mesmo ficar na história.

 

http://cnapef.wordpress.com/2012/06/04/carta-para-o-ministro-da-educacao-estudantes-de-mestrado-de-ensino-de-educacao-fisica-da-universidade-lusofona-lisboa/

 

cogitado por vics às 23:05
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 3 de Abril de 2012

Golpaça ou chalaça?

No passado domingo assistimos a mais um momento ímpar do Grão-Mestre dos Tudólogos (aqueles que percebem de tudo): desconstruiu uma notícia, de forma caluniosa e tendenciosa, defendendo uma tese, procurando virar atenções no sentido diverso de onde deveria estar o enfoque! Não há aí nada de novo, é o já seu costumeiro modus operandi, mas porventura será uma semana inteira para os media falarem nisto e mais outra semana para se dedicarem aos próprios 'arranjos' do autor que, com toda a certeza, promoverá no próximo domingo.
Entretanto, o aumento do desemprego, a avaliação da troika, a concretização do negócio do BPN-BIC e de mais umas quantas manobras do primeiro-ministro Relvas lá vão correndo acima da velocidade permitida, sem que ninguém dê conta disso. Depois parecerá que: antes de ser, já era!
 
Pois a propósito de 'golpaça', maior é, sem qualquer dúvida, a do Grão-Mestre dos Tudólogos querer empurrar para secretário-geral do PS e para candidato a 1.º Ministro aquele que ele próprio receia e não quer ter como adversário a Belém.
 
cogitado por vics às 21:49
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Abril de 2011

Europa a duas velocidades

Esta é para ver e cogitar um pouco...

 

 

O autor chamou-lhes: «Homem rico e homem pobre».

tags:
cogitado por vics às 11:58
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Abril de 2011

Atónito, logrado e liquidado

Vivemos tempos difíceis, onde gente de má índole traça caminhos sinuosos e nos embebeda de ódios e nos encanta com verdades podres.

É num sentimento misto de perplexidade e arreliação que me encontro na ínfima condição de minúscula personagem espectadora e impotente, perante o contexto, o guião e o desfecho antevisto da peça trágica em exibição, vivenciado que é o rumo a que nos leva a todos.

A irresponsabilidade e a despreocupação da antevisão dos efeitos e da amplitude das consequências, constantes naqueles que não querem absolutamente ser parte da solução e que escolhem o problema e o caos, vidrados no calculismo eleitoralista, na fome doentia de ser poder e no insólito e despropositado posicionamento egocêntrico, motivou-os apenas e tão só a optar por convergir no ínfimo ponto em que serviu para "chutar-nos para baixo".

Creio que é tempo de dizer em uníssono: BASTA!

Basta de mentiras e de estratégias de ‘partidarite’ medíocre! Basta! Há um país cá fora! Há pessoas fora das jogadas partidárias, dos interesses pessoais dos líderes dos partidos, e grupais das suas cúpulas, e dos eventualmente subjugados a quem aqueles devem favores! Basta! Há pessoas que continuam, reiteradamente, a ser o objecto, o alvo e o elo mais fraco dos actos e das decisões desses senhores! Basta! Basta de jogar barro à parede! Estamos fartos!

Basta!

Basta mesmo!

Lembremos Mahatma Gandhi «O erro não se torna verdade por se difundir e multiplicar facilmente. Do mesmo modo a verdade não se torna erro pelo facto de ninguém a ver.»

 

O Guião, as cenas e as interpretações de alguns actores merecem apenas um grito profundo e um só rótulo: insólito, ridículo e repudiável.

 

O sobe e desce do IVA:


O (des)conhecimento do PEC IV:

 

Quantos mais casos serão precisos?

cogitado por vics às 12:48
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Março de 2010

A natureza daquilo que Eles defendem

Não há palavras para se conseguir adjectivar de forma educada e cordial os actos malparidos ou de formação deficiente, desviante ou desajustada.

O Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina é finalmente colocado à discussão pública numa redacção que já vai na sexta versão e que, mesmo assim, ainda revela falta de consistência, de contextualização e de conhecimento do modus vivendi.

A protecção da Natureza não se faz com o proibicionismo ou com a incrédula concepção de que o Homem não faz parte do ecossistema.

O despovoamento do interior e as problemáticas da periferia e da interioridade têm tomado corpo e aumentado devido as más políticas de ordenamento do território e à desenfreada e fundamentalista protecção de natureza defendida pelos senhores de gabinetes instalados e circunscritos a caves, vãos de escadas ou outros ínfimos espaços da polis do betão, crentes de que no território rural subsistem comunidades de índios ou seres impedidos do acesso à qualidade de vida.

Muito daquilo que existe, subsiste e resiste na Serra de Monchique, assim como no Sudoeste Alentejano deve-se também a uma criatura que faz parte do ecossistema e que merece tanto respeito como os demais seres que do mesmo fazem parte: o Homem.

 

cogitado por vics às 17:43
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 8 de Janeiro de 2010

Diferenças iguais!?

A influência da ciência, do racionalismo técnico e da tecnologia que permitem ao homem um domínio acentuado sobre a natureza, vem sobremaneira sublinhar a crise de valores, ou a contestação dos valores tradicionais, que filósofos, sociólogos e pensadores prologaram no ido século XIX, como sejam Marx, Nietzsche e Freud.

Contudo, uma sociedade do século XXI, moderna e plural, deve assentar em pilares fortes, robustos e bem alicerçados, garantidos pela liberdade, igualdade e democracia, ainda que tenham havido mutações de mentalidades e de valores.

Bem assim, pergunta-se se fará sentido entender como igual o que é diferente, se isso fará algum sentido e se tal não se assumirá como um claro desrespeito às diferenças.
 
Com o devido respeito, ainda que na lei possamos criar normas equiparadas para contextos diferentes não podemos considerar igual aquilo que é distinto.
 
O casamento poderá assumir várias formas – aberto ou liberal, arranjado, civil, de conveniência, morganático, nuncupativo, poliândrico, poligâmico, entre outros –, mas, na minha modesta opinião, mais do que um contrato civil, é um sacramento religioso e nunca pode abandonar esse conceito.
 
 
Apontamento 1
A maior parte das sociedades apenas reconhece o casamento entre um homem e uma mulher, pese embora também seja plenamente reconhecido entre pessoas do mesmo sexo – como se pretende agora em Portugal – nomeadamente na África do Sul, Bélgica, Canadá, Espanha, EUA (nos estados de Massachusetts, Connecticut, Iowa, Vermont e Maine), Holanda, Noruega e Suécia, assim como nalgumas confissões religiosas protestantes.
 
Apontamento 2
Aquilo que Nietzsche se propõe realizar é uma transmutação dos valores, criticando os valores tradicionais, sobretudo os morais fundados no Cristianismo. Aliás, proclama a «morte de Deus», isto é a morte dos valores tradicionais e da submissão do homem aos mesmos. Defende que, «o novo homem», ultrapassado o estado de crise de valores, é o criador de novos valores.
Por seu turno, Marx, critica os valores tradicionais, realçando as diferenças sociais, apontando a luta de classes como forma de superar as diferenças sociais existentes na sociedade.
Por último, Freud centra a sua crítica numa nova concepção do homem, valorizando o inconsciente na explicação do comportamento humano.
cogitado por vics às 03:09
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Setembro de 2009

O Maniqueísmo das opinões

A evolução tecnológica e a revolução da informação de que Peter Drucker tanto tem escrito, propiciou o surgimento de novas formas de expressão e de comunicação e novos agentes nesta área. O aparecimento de espaços de opinião nas edições de os media, blogs, twiter, facebook, hi5, sms, entre outros, é, sem dúvida, um sinal claro de liberdade de expressão e do quadro democrático.

Porém, nem tudo é bom ou está bem, quando hoje, por exemplo, nos deparamos com uma lista infinita de pseudo ou propensos opinion makers, que se transferiram das mesas de café e balcões da 'copofonia' para aqueles espaços de opinião.
Tal como na evolução científica o conhecimento só será bom se for utilizado com bons intuitos – caso contrário poderá assumir contornos que em nada dignificam a dita ciência e provocarão efeitos nefastos ou indesejados para alguém em particular ou até mesmo para o colectivo –, também na evolução tecnológica e da informação as opiniões, os pensamentos, as ideias serão boas se efectivamente não assumirem um registo maniqueísta, em que é criado um Deus e um Diabo e um quadro de oposição nua, crua e inevitável. Este sistema, obviamente propicia também o terrorismo virtual construído e gerido por todos aqueles que reiteradamente num registo do 'não', do 'contra', do 'bota-a-baixo' e da ofensa se refugiam no ridículo e insensato anonimato.
A liberdade de expressão confere o direito de nos exprimirmos sobre determinado assunto, mas nunca podemos perder de referência que a nossa liberdade termina onde começa a do outro. E cada um de nós é o único responsável por aquilo que exprimimos e disso não podemos ter qualquer receio. Bastará talvez ter um maior cuidado na construção da ideia e na formulação da opinião.
Mal está quando uma ideia, uma opinião parte de uma base em que há preconceitos, ‘estereotipização’ e a opinião é formulada com incidência nas pessoas e não nas ideias, opiniões e actos que as pessoas têm.

 

 

cogitado por vics às 12:48
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 2 de Junho de 2009

Por uma questão de respeito

Pela manhã tive um insólito telefonema de uma senhora – por quem nutro de grande respeito –, advertindo-me para ser mais contido nos ataques que fazia a pessoas de respeito.

Ora, não sei se do pouco descanso – pois tinha dormido aproximadamente 2 horas  –, se pela pouco oportuna abordagem, assim como pela argumentação  –  pois referia-se ao anterior post que eu tinha colocado aqui no Cogito blog existo  –, lançou-me ao tapete.

De facto, não esperava aquele telefonema e, confesso, que tal senhora perdesse tempo a ler as minhas cogitações...

Ainda antes de sair de casa, fui levado ao dicionário para ver o conceito de “respeito”. Concluí que, de facto, era aquilo que nutria e nutro pela senhora, porém de forma alguma consigo vislumbrar naquele post eventual ofensa, mesmo que ínfima, a alguém de respeito.

Devolvi a chamada, pedindo desculpa e inquirindo a quem se referia, ao que me disse que eu ofendera os dois irmãos que tinham linhas de pensamento distintas e, por isso, estavam em partidos distintos. Percebi então. Agradeci e desejei um resto de bom dia àquela senhora de respeito e que a respeito não revelando o seu nome.

Contudo, reitero, mal vai este país quando recruta do mesmo lar dois líderes para dois partidos com ideologias tão distintas. Creio que algo terá falhado no processo de formação e desenvolvimento daqueles senhores quando foram miúdos. Para terem escolhido caminhos tão diferentes, certamente os pais também não olharam de forma igual para eles.

 

Ofensivo seria se me referisse a outras opções da mesma família e se citasse aquilo que já ouvi repetidamente: dos três irmãos o único que gosta de raparigas é ... a filha. Às vezes penso que o respeitável senhor arquitecto só terá estado bem quando desenhou a Igreja do Sagrado Coração de Jesus.

Maior ofensa seria se ousasse considerar que o feito que eternizou o tio materno teria decorrido da antevisão do que seriam estes sobrinhos e de não querer sequer aguardar a sua chegada, por isso se pirara.

tags:
cogitado por vics às 13:28
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

Malfadada campanha

Aquilo que se vive na campanha eleitoral em curso seria engraçado se não se tratasse de um assunto sério. Aliás, triplamente sério: primeiro, porque se trata da escolha dos representantes dos cidadãos – do povo – para os órgãos da administração, ainda que ainda tenhamos alguma autonomia no contexto da união europeia; segundo, porque se trata da escolha dos nossos pares para nos representar na Europa onde aqueles serão “os” portugueses; terceiro, por tudo (pelo dinheiro que se gasta, por não falarem da Europa, por não falarem de Portugal na Europa, por não apresentarem as suas ideias, o seu programa, por se atacarem uns aos outros de uma forma vergonhosa, por aproveitarem para atacar e defender o governo da república, por prestarem um mau serviço a Portugal, à Democracia e Cidadania, por aprofundarem o desgaste da ciência Política, por ofenderem a nossa inteligência, …).

E o pior é que este ano ainda temos mais dois actos eleitorais.

cogitado por vics às 04:34
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Maio de 2009

Fisólfos de fim-de-semana

No final da tarde de domingo, ao chegar a Monchique, avistei na esplanada do Café da Vila um amigo que reiteradamente me telefona a perguntar quando arranjo 5 minutos para um café e trocar dois dedos de conversa. Apesar de ir à pressa e ter motivos de agenda e o sacana do relógio não abrandar, resolvi encostar e cumprir com o já inadiável e inadmissível.

Sentei-me, pedi os dois cafés da droga do costume e conversa trocada pa-ta-ti e pa-ta-ta, eis senão quando se pulula entre mesas um cidadão da nossa praça que não gostando de o fazer não consigo encontrar-lhe melhor definição do que "cromo", aliás "vinheta", pois também é auto-colante mas é muito mais pequeno. Pululou, pululou até encontrar a cadeira mais próxima de nós numa mesa vizinha, talvez para ouvir ou fazer-se ouvir. Quase de imediato arranjou um parceiro de bom nível, perdoem-me a ligeireza, um indivíduo com graves problemas de alcoolémia que entre caretas, bocejos e tiques, nada diz e seria, sem dúvida, um bom espectador para a peça que ali ía surgir.

Então, o dito cromo - criatura que eu nunca vi fazer nada, excepto "rançar" com quem passa, com quem encontra do lado de dentro de um balcão, entre outras coisas muito úteis e saudáveis, como se diz por aí e por isto ser do tipo T0, em que toda a gente se conhece, mesmo que não o queiramos, acabamos por sabê-lo - abre a matraca e profere uma frase que certamente lhe dá direito a uma nomeação para os globos de ouro: «Isto cada vez está pior; e a culpa é dos parasitas.»

Ora, certamente não se referia ao meu amigo cuja indumentária era um fato-macaco cheio de óleo e outras marcas do trabalho (veja,-se, a um domingo), nem a mim, provavelmente, mesmo que não soubesse que já tinha feito quase 200 km, e tinha estado em dois briefings completamente distintos, tendo-me valido mais de uma dezena de cafés tomados até às 19 horas, para a concentração e o ritmo. 

Talvez, fosse uma confissão, mas a Igreja ainda dista dali uns bons 200 metros e talvez o senhor Padre não estivesse lá à espera daquelas duas personagens.

E pensei eu, nada é melhor do que depois de um rodopio bestial, ao final da tarde de um domingo, ouvir um pseudo-intelectual sardoso tentar apontar-nos o dedo a uma cagadela de mosca que temos no párabrisas do carro.

Lá diz o velho ditado: «Não há cego que se veja, nem torto que se conheça!»

cogitado por vics às 20:10
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.cogitos recentes

. O erro Crato

. Golpaça ou chalaça?

. Europa a duas velocidades

. Atónito, logrado e liquid...

. A natureza daquilo que El...

. Diferenças iguais!?

. O Maniqueísmo das opinões

. Por uma questão de respei...

. Malfadada campanha

. Fisólfos de fim-de-semana

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Dezembro 2008

. Dezembro 2007

. Abril 2007

. Julho 2006

. Março 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Fevereiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

.tags

. todas as tags

.links

.Cogitantes até agora

Counter
Free Counter

.Cogitando

online
blogs SAPO

.subscrever feeds