Segunda-feira, 18 de Abril de 2011

A ruína de um mito

Ao menos que sejamos tão egocêntricos como Louis XIV, soberbos como José Mourinho, tão distantes quanto Aníbal Cavaco Silva, arrogantes ao nível de Alberto João Jardim, racistas no registo de Adolf Hitler, reconheceremos e elegeremos, sempre, de entre os nossos pares, o líder, o rosto, o homem do leme.

Na análise crítica, humilde, honesta e sincera, de quem faz parte da coisa, tem consciência disso, do contexto, da responsabilidade, da legitimidade, das necessidades e do rumo a seguir, cada um e todos saberão e deverão tomar as decisões mais sensatas, adequadas e as consideradas melhores.

Em todos os momentos da vida, e a cada dia que passa, construímos imagens, avaliamos, elegemos, elevamos homens e mulheres, nossos pares, em vários domínios, decorrente do seu carácter, atitudes, comportamentos. É moroso esse processo de reconhecimento, porquanto somos tão cruéis quanto vesgos, pois as boas acções quase não damos conta delas e um simples pé fora do risco assume-se como uma tatuagem inapagável.

Talvez por isso só demos conta do valor, da competência, da singularidade de alguns nossos pares quando já escalaram muito e estão lá em cima. De imediato procuramos perceber como é que tal sucedeu sem que nos tivéssemos apercebido. Analisamos pela rama e se num momento ou noutro identificamos a ascensão a pulso, então é matemático: idolatramo-lo.

Mas esse estado não é definitivo. Antes do derradeiro e definitivo carimbo de ídolo, fica-se exposto, fica-se na montra, aos olhos de todos; e ai de um ínfimo desafino. Um pingo pode ser uma nódoa e se o líquido for ácido sulfúrico então, então é o fim.

 

Creio que Dr. Fernando Nobre protagoniza um pouco deste ‘cogitanço’ meu – tem uma folha de serviços notável no âmbito da medicina, da solidariedade, da cidadania; foi percorrendo esse caminho sinuoso imaterialista colocando o enfoque no outro, no mais desprotegido, e nós,   nós não nos apercebíamos desses notáveis actos; depois, depois entrou noutra área, a política, todos aqueles feitos imergiram e foram, naturalmente, reconhecidos e muito valorizados; mas na primeira curva e no primeiro pisar de berma ficou debaixo de olho; afinal não era a primeira vez que aparecia associado à política, já o fizera noutras ocasiões e noutras áreas partidárias; estivera ao lado dos vitoriosos ou do mediatismo; bem assim conseguiu a consolidação da imagem superando esses quês; recentemente pisou falso quando defraudou muitos que o julgavam apartidário e sem interesses pessoais; afinal não era verdade o que dissera quanto ao afastamento dos partidos e da não-ambição de cargos políticos; afinal, não tendo conseguido ser presidente quer ser o que o substitui nas ausências e impedimentos; pior, hoje vem também a público que na AMI onde fizera um trabalho profícuo, foi introduzindo toda a família e familiares destes, num total de cerca de 60 pessoas, faltarão apenas duas filhas menores de idade, que ainda estudam; enfim…

Politicamente arrisca-se a eclipsar-se; como obreiro da solidariedade, da cidadania, arrisca-se a sujar a folha de serviços.

 

Creio que o urologista contraiu uracrasia e não tem melhoras.

 

Outro caso de reflexão seria também sobre o carácter de um líder de um partido que não tendo ainda sido aprovadas as listas de candidatos e nem estes terem sido eleitos deputados já estava a prometer ou a designar o presidente dos deputados. Esse tempo das nomeações desses cargos já ficou para trás.

cogitado por vics às 13:12
link do post | comentar | favorito
|

O farsolas e o pote

O eurodeputado português Miguel Portas faz uma breve, clara e indiscutível análise crítica ao líder do maior partido da oposição representada no parlamento português, sublinhando o carácter, as motivações e a agenda de Passos Coelho. «O farsolas e o pote». Imperdível!

 

cogitado por vics às 08:46
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Abril de 2011

Europa a duas velocidades

Esta é para ver e cogitar um pouco...

 

 

O autor chamou-lhes: «Homem rico e homem pobre».

tags:
cogitado por vics às 11:58
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Abril de 2011

Atónito, logrado e liquidado

Vivemos tempos difíceis, onde gente de má índole traça caminhos sinuosos e nos embebeda de ódios e nos encanta com verdades podres.

É num sentimento misto de perplexidade e arreliação que me encontro na ínfima condição de minúscula personagem espectadora e impotente, perante o contexto, o guião e o desfecho antevisto da peça trágica em exibição, vivenciado que é o rumo a que nos leva a todos.

A irresponsabilidade e a despreocupação da antevisão dos efeitos e da amplitude das consequências, constantes naqueles que não querem absolutamente ser parte da solução e que escolhem o problema e o caos, vidrados no calculismo eleitoralista, na fome doentia de ser poder e no insólito e despropositado posicionamento egocêntrico, motivou-os apenas e tão só a optar por convergir no ínfimo ponto em que serviu para "chutar-nos para baixo".

Creio que é tempo de dizer em uníssono: BASTA!

Basta de mentiras e de estratégias de ‘partidarite’ medíocre! Basta! Há um país cá fora! Há pessoas fora das jogadas partidárias, dos interesses pessoais dos líderes dos partidos, e grupais das suas cúpulas, e dos eventualmente subjugados a quem aqueles devem favores! Basta! Há pessoas que continuam, reiteradamente, a ser o objecto, o alvo e o elo mais fraco dos actos e das decisões desses senhores! Basta! Basta de jogar barro à parede! Estamos fartos!

Basta!

Basta mesmo!

Lembremos Mahatma Gandhi «O erro não se torna verdade por se difundir e multiplicar facilmente. Do mesmo modo a verdade não se torna erro pelo facto de ninguém a ver.»

 

O Guião, as cenas e as interpretações de alguns actores merecem apenas um grito profundo e um só rótulo: insólito, ridículo e repudiável.

 

O sobe e desce do IVA:


O (des)conhecimento do PEC IV:

 

Quantos mais casos serão precisos?

cogitado por vics às 12:48
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.cogitos recentes

. O tal princípio de Peter ...

. Higiene n'os media

. Dia de luto em Portugal

. Arte de bem receber a Mat...

. Vencer barreiras

. UNIÃO EUROPEIA, Quo vadis...

. Economia estrangulada

. Relançar o Futuro

. Tobin 40 anos depois

. Piegas Povinho

. Simplesmente... espectacu...

. Uma Alarvidade

. Ver para crer...

. Última hora: Mais um aume...

. Jornada Mundial pelo Trab...

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Dezembro 2008

. Dezembro 2007

. Abril 2007

. Julho 2006

. Março 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Fevereiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

.tags

. todas as tags

.links

.Cogitantes até agora

Counter
Free Counter

.Cogitando

online
blogs SAPO

.subscrever feeds