Sexta-feira, 3 de Julho de 2009

O conceito do Respeito

 

Ontem ocorreu o insólito. Terá sido mesmo algo do género de um tsunami, bomba atómica ou catástrofe inigualável em pleno Parlamento. Sim, foi isso: um ministro fê-lo. Fê-lo sem dó nem piedade. Ergueu os dois dedos indicadores espetados e colocou-os em paralelo e na linha dos olhos, mas no ‘andar superior’. Foi a hecatombe! Não há dúvida.
De facto tal ocorrência é sobremaneira inaceitável, em especial por ser a ‘Casa da Democracia’. Aquele mesmo espaço onde ninguém chama palhaço a ninguém, onde ninguém calunia, vaia, ou ofende o adversário das ideias e da ideologia. Onde ninguém descompõe o seu semelhante.
Convenhamos!
Em Março último, o senhor deputado José Eduardo Martins (PPD/PSD) mandou um outro deputado (PS) para um sítio menos próprio, em especial para não adeptos de orientações sexuais dentro do mesmo género. O que lhe aconteceu? Simplesmente, nada. Porquê? Porque não se conseguiu perceber bem as palavras proferidas. Certo. O senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, permanente e reiteradamente usa vocábulos e calúnias que descompõe até o garante do sistema político – sua excelência o Presidente da República. Abstenho-me de adjectivar, pois não consegui encontrar um vocábulo à altura e adequado para a situação e para a pessoa em causa. O sistemático tom jocoso e trocista dos líderes partidários Paulo Rangel (PPD/PSD), Francisco Louçã (BE), Paulo Portas (CDS-PP) e Bernardino Soares (PCP) parecem também perder o grau ou dimensão de insulto.
De facto, um gesto vale por mil palavras e talvez um parzinho de palitos sejam das maiores ofensas, em especial para um solteiro. Outro gesto seria muito mais adequado, penso.
Perante a situação ocorrida e o contexto, é inevitável uma questão: a oposição goza de algum estatuto que lhe permita desrespeitar ou estar impune quando o faz? A questão do respeito é imputável e exigida apenas a quem está na posição (no poder)?
Não estaremos a desviar a atenção do essencial e a criar um bode expiatório?
Creio que é absolutamente necessária a tal hecatombe, o tal tsunami ou bomba atómica naquele hemiciclo e que, de preferência, os leve todos. Precisamos mesmo de novos políticos.
tags:
cogitado por vics às 19:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Julho de 2009

A morte do artista

Está confirmado. Lamentavelmente. Hoje tomei a triste consciência que afinal o parlamento nacional é uma efectiva sala de espectáculos. Não nos podemos referir ao espaço como um circo, apesar das muitas situações, comportamentos e criaturas circenses, dado o layout existente, pois o artista não está no centro da sala, mas sim encostado a uma parede, portanto numa espécie de palco.

Aconteceu o insólito, o deplorável, o ofensivo, o intolerável e o adjectivado com toda a maior verborreia proferida pelos demais representantes das instituições, partidos e facções, a qual já tinha sido epilogada pelo supra sumo dos vencedores das últimas autárquicas, aquando do seu último discurso à assembleia.
Assisti, em directo, ao debate e consequentemente à ocorrência que legitimou a demissão do senhor professor doutor Manuel Pinho. Confesso que, do ponto de vista político nunca apreciei muito a postura do governante, porém não podemos descurar a elevada competência pessoal, profissional e académica, aliás, reconhecida internacionalmente.
O ‘gesto fatal’ determinou a ‘morte do artista’, do qual essa poderosa classe os media – ao serviço do fundamentalista opositor, orquestrada pelo hino do 'Contra' e ritmados pelo ‘bota-a-baixo’ – apenas relatou as gafes, as previsões falhadas e os insucessos.
Bastou meia hora, apenas 30 minutos, após a demissão pedida e aceite para que a Agência Lusa abrandasse o ritmo e expurgasse a adjectivação passando a considerar o ocorrido na Assembleia como «o gesto inconveniente», situação que despoletou uma série de press release entendendo o Prof. Pinho como um competente ministro com um excelente trabalho desenvolvido.
Daqui resulta apenas uma nua e crua conclusão: Queres ser bom? Morre ou vai embora!
cogitado por vics às 18:01
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.cogitos recentes

. O tal princípio de Peter ...

. Higiene n'os media

. Dia de luto em Portugal

. Arte de bem receber a Mat...

. Vencer barreiras

. UNIÃO EUROPEIA, Quo vadis...

. Economia estrangulada

. Relançar o Futuro

. Tobin 40 anos depois

. Piegas Povinho

. Simplesmente... espectacu...

. Uma Alarvidade

. Ver para crer...

. Última hora: Mais um aume...

. Jornada Mundial pelo Trab...

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Dezembro 2008

. Dezembro 2007

. Abril 2007

. Julho 2006

. Março 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Fevereiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

.tags

. todas as tags

.links

.Cogitantes até agora

Counter
Free Counter

.Cogitando

online
blogs SAPO

.subscrever feeds