Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

Malfadada campanha

Aquilo que se vive na campanha eleitoral em curso seria engraçado se não se tratasse de um assunto sério. Aliás, triplamente sério: primeiro, porque se trata da escolha dos representantes dos cidadãos – do povo – para os órgãos da administração, ainda que ainda tenhamos alguma autonomia no contexto da união europeia; segundo, porque se trata da escolha dos nossos pares para nos representar na Europa onde aqueles serão “os” portugueses; terceiro, por tudo (pelo dinheiro que se gasta, por não falarem da Europa, por não falarem de Portugal na Europa, por não apresentarem as suas ideias, o seu programa, por se atacarem uns aos outros de uma forma vergonhosa, por aproveitarem para atacar e defender o governo da república, por prestarem um mau serviço a Portugal, à Democracia e Cidadania, por aprofundarem o desgaste da ciência Política, por ofenderem a nossa inteligência, …).

E o pior é que este ano ainda temos mais dois actos eleitorais.

cogitado por vics às 04:34
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Maio de 2009

É preciso reinventar a Escola

Na passada sexta-feira, depois de um dia com uma agenda complicada e vindo de mais uma directa, participei numa conferência promovida pela associação de pais e encarregados de educação subordinada à problemática do insucesso escolar.

Acabei por fazer parte da mesa, a convite da organização, uma vez que estava em representação de duas entidades convidadas para o efeito - a primeira que delegou em mim a participação e a segunda por seu o seu efectivo representante. è um pouco desconfortável a posição pois é dupla a responsabilidade e, apesar de sabermos separ o trigo do joio, às vezes quem nos vê e escuta pode não conseguir fazer aquela separação.

A conferência mostrou-se de facto interessante e dela confirmei três ideias-chave que há algum tempo penso nelas e as admito como indiscutíveis: 1.ª, o movimento associativo que trabalha com as populações jovens e estudantis dão um relevante contributo para a sua formação sóciocultural e desenvolvimento pessoal; 2.ª, ainda há pais e encarregados de educação preocupados com a formação dos seus filhos e disponíveis para colaborar com a Escola para a melhorar; 3.ª, o território e o contexto Escola tende a ser um espaço desagradável para os jovens, talvez porque não fala a sua linguagem.

Por isso acho que é preciso reinventar a Escola, torná-la um lugar aprazível e que conquiste a atenção e a estima dos jovens - os homens e as mulheres de amanhã.

É imprescindível reinventar a escola, as aulas, os programas, os conteúdos, os meios, os métodos. Pode até manter-se a mesma letra, mas é preciso mudar a música.

É também preciso apoiar a associação de pais a continuar com iniciativas desta natureza e com forte dinâmica e, também e sobretudo, que os professores e os responsáveis também acorram a estas iniciativas. No plenário apenas vi dois docentes - um do 1.º ciclo e outro do 3.º - e se calhar estariam ali simplemente porque são... pais.

sinto-me: apreensivo
tags:
cogitado por vics às 08:31
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Maio de 2009

Haja diversão... ou paciência

Não desista, todos são precisos… até o Rangel.

De facto, concordo. Ninguém consegue nada sozinho!

Mais, feliz daquele que consegue conciliar o trabalho com o prazer e de todos os que conseguem encontram e gerir tempo para o fazer e para o lazer.

Por isso, também acho que somos todos precisos: os que trabalham, os que nos fazem ou motivam trabalhar e os que nos divertem quando estamos de descanso. E porque não é aceitável estar sistematicamente a levar com a crise, a gripe A, o Freeport, o BPI e o BPP, o Isaltino, a Casa Pia e o Portucale, também precisamos de um evadir.

Já que não podemos ir à procura de algo que nos distraia ou alivie a ‘mona’, então que isso venha ter connosco. E já que o Benfica não nos traz alegrias, ao menos que tenhamos espectáculos ou personagens circenses para alegrar a malta.

Temo, no entanto, que ao mandar aquela criatura para Bruxelas não vão os nossos "irmãos" europeus tabelar-nos todos pela mesma medida. Convenhamos, que isso era ofensivo, pois nem todos nós ‘tugas’ temos aquela altura, aquele peso, aquela voz, e aquele registo do tipo regateira que incomoda os próprios correligionários. Aliás, talvez mesmo por isso lhe dão o dito XPB (Xuto Para Bruxelas), para não o mandarem para a PQOP (censurado) ou simplesmente PC (censurado). Mas com o que por aí há, talvez os bilhetes estivessem esgotados e quem está mais próximo da bilheteira, fisicamente ou pela frequência a que lhe aflui, sabe-lo melhor.

Força Nela!

tags:
cogitado por vics às 20:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Maio de 2009

Fisólfos de fim-de-semana

No final da tarde de domingo, ao chegar a Monchique, avistei na esplanada do Café da Vila um amigo que reiteradamente me telefona a perguntar quando arranjo 5 minutos para um café e trocar dois dedos de conversa. Apesar de ir à pressa e ter motivos de agenda e o sacana do relógio não abrandar, resolvi encostar e cumprir com o já inadiável e inadmissível.

Sentei-me, pedi os dois cafés da droga do costume e conversa trocada pa-ta-ti e pa-ta-ta, eis senão quando se pulula entre mesas um cidadão da nossa praça que não gostando de o fazer não consigo encontrar-lhe melhor definição do que "cromo", aliás "vinheta", pois também é auto-colante mas é muito mais pequeno. Pululou, pululou até encontrar a cadeira mais próxima de nós numa mesa vizinha, talvez para ouvir ou fazer-se ouvir. Quase de imediato arranjou um parceiro de bom nível, perdoem-me a ligeireza, um indivíduo com graves problemas de alcoolémia que entre caretas, bocejos e tiques, nada diz e seria, sem dúvida, um bom espectador para a peça que ali ía surgir.

Então, o dito cromo - criatura que eu nunca vi fazer nada, excepto "rançar" com quem passa, com quem encontra do lado de dentro de um balcão, entre outras coisas muito úteis e saudáveis, como se diz por aí e por isto ser do tipo T0, em que toda a gente se conhece, mesmo que não o queiramos, acabamos por sabê-lo - abre a matraca e profere uma frase que certamente lhe dá direito a uma nomeação para os globos de ouro: «Isto cada vez está pior; e a culpa é dos parasitas.»

Ora, certamente não se referia ao meu amigo cuja indumentária era um fato-macaco cheio de óleo e outras marcas do trabalho (veja,-se, a um domingo), nem a mim, provavelmente, mesmo que não soubesse que já tinha feito quase 200 km, e tinha estado em dois briefings completamente distintos, tendo-me valido mais de uma dezena de cafés tomados até às 19 horas, para a concentração e o ritmo. 

Talvez, fosse uma confissão, mas a Igreja ainda dista dali uns bons 200 metros e talvez o senhor Padre não estivesse lá à espera daquelas duas personagens.

E pensei eu, nada é melhor do que depois de um rodopio bestial, ao final da tarde de um domingo, ouvir um pseudo-intelectual sardoso tentar apontar-nos o dedo a uma cagadela de mosca que temos no párabrisas do carro.

Lá diz o velho ditado: «Não há cego que se veja, nem torto que se conheça!»

cogitado por vics às 20:10
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 5 de Maio de 2009

Uma dona de casa na política

Cada vez mais, toma corpo a ideia de que a lei da paridade não só não resolve o problema, como cria mais problemas.

Entendo que o estabelecimento de quotas na formalização de listas de candidatos só fará sentido e será bem-vindo se estivermos a falar de componentes que efectivamente valorizem as candidaturas, assim como o exercício dos mandatos.

Atrevo-me a sublinhar e a repetir aquilo que já disse a amigos, e nos sítios certos, que devem sim garantir-se números para quotas de mérito, de conhecimento académico, de conhecimento empírico, em listas onde naturalmente fará falta a presença de candidatos com conteúdo, para contrabalançar aqueles que têm apenas rótulo e, também, e infelizmente, os habitués elementos entozoários e epizoários, ou que simplesmente parasitam.

 
A montante deste pensamento, evoco mais um argumento que, não sendo tentativa de estereotipar nada nem ninguém – até porque, genericamente, para o género em apreço, creio que contribui muito pouco, mas pronto é apenas a minha opinião – trazer uma mulher a líder de um partido não foi, talvez a melhor escolha.
Veja-se que, eventualmente, na tentativa de uma colagem (talvez a cuspo) a Margareth Thatcher, interpretou e personificou um ‘boneco’ duro, frio e autoritário, usando a sua imagem em campanhas em que no próprio partido são outros os candidatos, porém, na verdade a estratégia foi, simplesmente,… doméstica, dada a linguagem utilizada.
Os dois outdoors até agora vistos, funcionaria exemplarmente bem para promover qualquer detergente do tipo lixívia ou equiparado. Repare-se que no primeiro, em tons cinza escuro, aparecia a senhora de semblante carregado aludindo a uma “política de verdade”, ou seja “o algodão não engana"; agora surge um segundo, esbranquiçado, mas ainda em tons de cinza, com o mesmo vulto – apesar de denunciar algum estrabismo – o que revela notoriamente a acção lixiviante; tirou a cor e deixou a senhora desconfiada, daí um olho em quem se coloca à frente do outdoor e outro … no balde da lixívia.
Portanto, concluo que, a linguagem doméstica não está muito bem ajustada às campanhas políticas, ou, a estratégia não será a ideal, digo eu.
tags:
cogitado por vics às 08:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.cogitos recentes

. O tal princípio de Peter ...

. Higiene n'os media

. Dia de luto em Portugal

. Arte de bem receber a Mat...

. Vencer barreiras

. UNIÃO EUROPEIA, Quo vadis...

. Economia estrangulada

. Relançar o Futuro

. Tobin 40 anos depois

. Piegas Povinho

. Simplesmente... espectacu...

. Uma Alarvidade

. Ver para crer...

. Última hora: Mais um aume...

. Jornada Mundial pelo Trab...

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Dezembro 2008

. Dezembro 2007

. Abril 2007

. Julho 2006

. Março 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Fevereiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

.tags

. todas as tags

.links

.Cogitantes até agora

Counter
Free Counter

.Cogitando

online
blogs SAPO

.subscrever feeds