Quarta-feira, 26 de Dezembro de 2007

Esse teu jeito estranho de amar...

Não sei se não te percebo ou se prefiro não te perceber. De facto, talvez seja mais fácil para mim entender-te imperceptível do que uma criatura odienta, cruel e perversa. Pois essa estranha forma que tens de lhe mostrar o teu amor deixa-me introspectivo e apreensivo. Pareces querer abraçar-lhe os filhos, os mesmos por quem nunca cuidaste ou olhaste, mesmo quando estavam sob o teu tecto.
Às vezes suscita-me se não queres apenas alcançar o prazer carnal do coito por ela inesperado. Não será apenas isso que procuras? Violar e macular quem te deu colo, carinho e afecto, e, fez amor contigo?
cogitado por vics às 14:37
link do post | comentar | favorito
|

Esse teu jeito estranho de amar...

Não sei se não te percebo ou se prefiro não te perceber. De facto, talvez seja mais fácil para mim entender-te imperceptível do que uma criatura odienta, cruel e perversa. Pois essa estranha forma que tens de lhe mostrar o teu amor deixa-me introspectivo e apreensivo. Pareces querer abraçar-lhe os filhos, os mesmos por quem nunca cuidaste ou olhaste, mesmo quando estavam sob o teu tecto.
Às vezes suscita-me se não queres apenas alcançar o prazer carnal do coito por ela inesperado. Não será apenas isso que procuras? Violar e macular quem te deu colo, carinho e afecto, e, fez amor contigo?

 

cogitado por vics às 11:37
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2007

Vestir-lhe a pele...

Fábulazinha actual. Achaste graça ao fato e envergaste-o de imediato. De facto, cigarra até te assenta bem. Lá que tinhas voz já me tinha apercebido. Agora fazer, fazer, que me recorde, só mesmo barulho e porcaria. O fatinho que vestiste até condiz com a tua personalidade. Vestiste-o pensando no espectáculo, no palco e na ribalta. Deixaste no cabide o fato de formiga, julgando que me fazias sentir mal com isso. Enganaste-te. Mais uma vez. A mim serve-me o fato que deixaste. Formiga até me cai bem. Quanto a ti, vai cantando que eu vou trabalhando. Temos um Inverno à porta.
cogitado por vics às 14:36
link do post | comentar | favorito
|

Vestir-lhe a pele...

Fábulazinha actual. Achaste graça ao fato e envergaste-o de imediato. De facto, cigarra até te assenta bem. Lá que tinhas voz já me tinha apercebido. Agora fazer, fazer, que me recorde, só mesmo barulho e porcaria. O fatinho que vestiste até condiz com a tua personalidade. Vestiste-o pensando no espectáculo, no palco e na ribalta. Deixaste no cabide o fato de formiga, julgando que me fazias sentir mal com isso. Enganaste-te. Mais uma vez. A mim serve-me o fato que deixaste. Formiga até me cai bem. Quanto a ti, vai cantando que eu vou trabalhando. Temos um Inverno à porta.
 

cogitado por vics às 11:38
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 8 de Dezembro de 2007

Sinto-me a perder-te

Às vezes pareces estar longe; distante; desviada dos teus próprios sentidos; e que fazes? Fácil: afastas-te de mim. Não sei se padeces de cegueira ou surdez, se não tens tacto ou se te falta o gosto. Interrogo-me se não será apenas um pretendido e amanhado cerrar de olhos e tapar de ouvidos. Talvez seja próprio, em alternativa, do estado autista que na aura da realidade vê e ouve a quimera e a ficção. Será loucura ou ingenuidade?

E para quem assiste a isto, o que é? E o que é nisto? Vidente? Insolente? Ou, normal, cauteloso, atento, simplesmente. Não sei.

Só sei que eu não me sinto assim e que me sinto mal por não te sentires. Lamento, mas sinto que te afastas do meu sentir.

 

sinto-me: Apreensivo
cogitado por vics às 14:35
link do post | comentar | favorito
|

Sinto-me a perder-te

Às vezes pareces estar longe; distante; desviada dos teus próprios sentidos; e que fazes? Fácil: afastas-te de mim. Não sei se padeces de cegueira ou surdez, se não tens tacto ou se te falta o gosto. Interrogo-me se não será apenas um pretendido e amanhado cerrar de olhos e tapar de ouvidos. Talvez seja próprio, em alternativa, do estado autista que na aura da realidade vê e ouve a quimera e a ficção. Será loucura ou ingenuidade?

E para quem assiste a isto, o que é? E o que é nisto? Vidente? Insolente? Ou, normal, cauteloso, atento, simplesmente. Não sei.

Só sei que eu não me sinto assim e que me sinto mal por não te sentires. Lamento, mas sinto que te afastas do meu sentir.

cogitado por vics às 11:39
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.cogitos recentes

. O tal princípio de Peter ...

. Higiene n'os media

. Dia de luto em Portugal

. Arte de bem receber a Mat...

. Vencer barreiras

. UNIÃO EUROPEIA, Quo vadis...

. Economia estrangulada

. Relançar o Futuro

. Tobin 40 anos depois

. Piegas Povinho

. Simplesmente... espectacu...

. Uma Alarvidade

. Ver para crer...

. Última hora: Mais um aume...

. Jornada Mundial pelo Trab...

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Dezembro 2008

. Dezembro 2007

. Abril 2007

. Julho 2006

. Março 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Fevereiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

.tags

. todas as tags

.links

.Cogitantes até agora

Counter
Free Counter

.Cogitando

online
blogs SAPO

.subscrever feeds